Make your own free website on Tripod.com

Escola Sabatina

Lição 1
Home | Lição 1 | Lição 2 | Lição 3 | Lição 4 | Lição 5 | Lição 6 | Lição 7 | Lição 8 | Lição 9 | Lição 10 | Lição 11 | Lição 12 | Lição 13

 Escola Sabatina - Lição 1 - 1º Trimestre de 2003

O que
Aconteceu?

A Lição:

Sábado à tarde Ano Bíblico: Apoc. 18 e 19

VERSO PARA MEMORIZAR: " Também disse Deus: Façamos o homem à Nossa imagem, conforme a Nossa semelhança; ... Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou" (Gênesis 1:26 e 27).

O RELATO BÍBLICO da criação da humanidade é cheio de esperança, felicidade e perfeição. Cada dia da criação terminava com o pronunciamento divino de que era "bom". Certamente isso não incluía furacões, terremotos, fomes e doenças.

O que aconteceu?

O sexto dia da criação terminou com o pronunciamento divino de que era "muito bom". Isso aconteceu porque naquele dia o Senhor criou seres à Sua própria imagem: os seres humanos. Algo que Ele não havia feito com nada mais no relato de Gênesis. Naturalmente, esses seres eram perfeitos em todos os sentidos; tinham que ser. Afinal, eram feitos à imagem de Deus. Assim, necessariamente, isso não incluía assassinos, ladrões, mentirosos, estelionatários e outros tipos de ímpios.

É claro que, quando comparamos o mundo em que vivemos hoje com o mundo descrito no relato da Criação em Gênesis, alguma coisa terrível aconteceu. O que foi?

A lição desta semana vai examinar a criação; primeiro o que Deus fez, e depois, o que aconteceu a essa criação perfeita. Finalmente, a lição chega ao tema que vai ser o assunto do restante do trimestre: o que Deus está fazendo para restaurar o mundo.

Domingo Ano Bíblico: Apoc. 2022

Tartaruga que não acaba mais...

"No princípio, criou Deus os céus e a Terra" (Gên. 1:1).

Um cientista acabava de discursar sobre as órbitas dos planetas em torno do Sol e sobre a órbita do Sol em torno do centro da galáxia, quando uma senhora idosa, calçada de tênis pretos, se levantou e disse que a Terra era um disco plano em cima de uma tartaruga. O cientista, caçoando, perguntou sobre o que a tartaruga estava apoiada, e ela respondeu que estava sobre outra tartaruga. "Madame", o cientista continuou zombando, "e em cima do que essa outra tartaruga está apoiada?" Ela respondeu: "Outra tartaruga", mas antes que ele perguntasse em cima do que a terceira tartaruga estava apoiada, ela sacudiu o dedo no rosto dele e disse: "Economize a saliva, filho, porque é tartaruga que não acaba mais."

Por mais atraente que seja, essa história trata do assunto mais importante da existência humana a natureza do próprio Universo. Por que estamos aqui, neste mundo? Como chegamos aqui? E para onde todos finalmente vamos?

Essas são as perguntas mais fundamentais que as pessoas podem fazer, porque nosso entendimento de quem somos e como chegamos aqui vai ter influência sobre nossa compreensão de como vivemos e como agimos enquanto estamos aqui.

1. Examine os textos a seguir. Como eles respondem às perguntas acima? Gên. 1:1; Isa. 40:28; Heb. 1:2 e 10. O que esses textos têm em comum?

O interessante em Gênesis 1:1 (e mesmo nos outros textos) é que Deus não tenta provar que é o Criador. Não existem argumentos elaborados para provar nada. Ao contrário, a Bíblia declara simples e claramente, sem tentar justificar, explicar ou provar nada. Ou aceitamos pela fé ou não. De fato, a fé é o único caminho para aceitar, por uma razão muito simples: Ninguém de nós estava aqui para ver o processo da criação. Na verdade, seria uma impossibilidade lógica termos estado em nossa própria criação (afinal, se fôssemos ver, já estaríamos criados). Até os secularistas, de qualquer teoria sobre as origens, têm que aceitar sua posição pela fé, pelo mesmo motivo que nós, criacionistas: Ninguém estava lá para contemplar o que aconteceu.

Segunda Ano Bíblico: Repassar o Novo Testamento

À imagem do Criador

"Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou" (Gên. 1:27).

A Bíblia afirma que Deus criou a humanidade homem e mulher à Sua imagem (Gên. 1:27). A partir desta idéia, responda às seguintes perguntas:

2. O que significa dizer que Deus nos criou à Sua própria imagem? Como somos "à Sua própria imagem"?

3. Tendo sido criados à imagem de Deus, somos divinos? Explique sua resposta.

4. De acordo com o relato de Gênesis, Deus fez alguma outra coisa à "Sua própria imagem", além dos seres humanos? Se não, o que isso nos diz sobre nossa condição sem igual, em comparação com o restante da criação terrestre? Que lições podemos tirar desse contraste?

5. O que mais pode ser encontrado no relato da criação do ser humano, tornando a humanidade diferente de qualquer outra coisa que o Senhor criou? Veja Gên. 2:7; 18-25

Embora precisemos falar de Deus usando palavras humanas, não devemos nos esquecer de que Ele é um Ser espiritual (João 4:24), possuindo características divinas. Tudo que podemos dizer é que, em nossa natureza física, mental e espiritual, refletimos de alguma maneira o nosso divino Criador, por mais que haja muita coisa que, pelo menos para nós, permanece envolta em mistério. Mas a Bíblia enfatiza os aspectos espirituais e mentais de nossa natureza. Esses aspectos nós podemos desenvolver e melhorar. É a singularidade da mente humana que torna possível um relacionamento de nutrição com Deus, algo que todo o restante da criação terrestre parece incapaz de fazer.

Terça Ano Bíblico: Vista geral de toda a Bíblia

Deus e a humanidade juntos

"E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a Terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela Terra. E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a Terra e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento" (Gên. 1:28 e 29).

Note as primeiras palavras pronunciadas por Deus para a humanidade, pelo menos como aparecem na Bíblia. Ele os orienta sobre a habilidade de procriar. Ele também lhes aponta a própria Terra, a criação, e lhes ordena que a povoem e subjuguem e dominem. Também indica as plantas que podem comer. Em resumo, de acordo com a Bíblia, as primeiras palavras de Deus ao homem e à mulher foram especificamente sobre a relação com o mundo físico.

6. O que esses textos (Gên. 1:28 e 29) nos dizem sobre a maneira como Deus considera o mundo material? Esses textos permitem concluir que existe algo de mau nas coisas materiais e em nosso prazer com elas? Que lições podemos aprender dessas primeiras cenas na História humana sobre a maneira como devemos nos relacionar com a Criação?

Com estas palavras, Deus também deu os primeiros passos em direção ao relacionamento com a humanidade. Ele fala com eles, dá-lhes ordens, diz o que devem fazer. Existe também uma responsabilidade implícita nas palavras. Deus lhes pediu que fossem senhores da criação maravilhosa que Ele próprio fez.

7. Gênesis 1:28 diz que Deus os abençoou. O que significa isso? Que tipo de relação este fato dá a entender que havia entre eles e o Criador?

Deus tratou Adão e Eva como seres inteligentes que podiam interagir com Sua bondade e entrar em comunhão e companheirismo com Ele. Também, como criaturas filhos, Adão e Eva eram dependentes da bênção e do cuidado de seu Criador e Pai. Ele os proveu com tudo de que precisavam. Não fizeram nada para merecer o que Deus lhes deu.

Quarta Ano Bíblico: Gên. 13

Junto à árvore

" E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás" (Gên. 2:16 e 17).

Este teste deu a Adão e Eva uma oportunidade de exercitar o livre-arbítrio. Ele também os desafiou a responder positiva ou negativamente à sua relação com o Criador. O mesmo teste também mostra que Deus os fez seres morais livres. Afinal, se não tivessem a oportunidade de desobedecer, por que o Senhor teria Se incomodado de adverti-los antecipadamente contra a desobediência?

"Tudo o que está relatado antes neste capítulo abriu o caminho para esse clímax (Gên. 2:16 e 17). O futuro da humanidade está nesta única proibição. O homem não deveria ser confundido por uma multiplicidade de assuntos. Só uma ordenança divina devia ser mantida em mente. Limitando assim o número de ordens a uma, Yahweh demonstra Sua misericórdia. Além disso, a fim de indicar que este mandamento não é penoso, Deus lhe dá uma ampla permissão: Coma livremente de qualquer árvore do jardim." H. C. Leupold, Exposition of Genesis, pág. 127.

Ao chamar Adão e Eva para obedecerem à Sua vontade, Deus estava dizendo: Eu sou seu Criador e criei vocês à Minha imagem. Sua vida é sustentada por Mim, pois em Mim vocês vivem, se movem e existem. Dei-lhes todo o necessário ao seu bem-estar e felicidade (alimentação, habitação, companhia humana) e os pus como governadores deste mundo, sob Minha guia. Se estiverem dispostos a afirmar esta relação comigo porque Me amam, eu serei o seu Deus, e vocês serão Meus filhos. Vocês podem afirmar essa relação e confiança simplesmente obedecendo a este mandamento específico.

Nosso relacionamento com Deus pode ser efetivo e duradouro apenas se aceitarmos livremente Sua vontade. Rejeitando Sua vontade, em essência, reivindicamos independência de Deus. Isso indica que acreditamos que não precisamos dEle. Esta é uma escolha que resulta no conhecimento do mal, e o mal conduz à alienação, solidão, frustração e morte.

A prova que Deus deu a Adão e Eva era de lealdade e fé. Seriam leais ao seu Criador, que lhes dera tudo o que precisavam, além de um mundo de delícias, ou seguiriam seu próprio caminho, independentes de Sua vontade? Teriam suficiente fé nEle para crer em Sua palavra? Sua lealdade e fé foram testadas pela árvore do conhecimento do bem e do mal. Como enfrentamos provas semelhantes a cada dia? A lei de Deus age como paralelo à ordem dada em Gênesis 2:16 e 17.

Quinta Ano Bíblico: Gên. 47

Relacionamento interrompido

8. Temos a tendência em acreditar nas pessoas que conhecemos e desconfiar das que não conhecemos. Sendo assim, Eva teria desconfiado naturalmente de Satanás. Além disso, qualquer ataque direto contra Deus teria deixado Eva na defensiva. Então, que passos Satanás deu para contornar as defesas naturais de Eva? Gên. 3:1-6

Por mais lamentável e carregada de aflições que tenha sido para a família humana a transgressão de Eva, a escolha não envolvia necessariamente os seres humanos com a penalidade por sua transgressão. Foi a escolha deliberada de Adão, na plena compreensão de uma ordem expressa de Deus e não a de Eva que fez do pecado e da morte a sorte inevitável da humanidade. Eva foi enganada; Adão não foi (veja Rom. 5:12 e 14; I Cor. 15:21; I Tim. 2:14; II Cor. 11:3)." SDA Bible Commentary, vol. 1, pág. 231.

Como resultado dessa franca transgressão e do descuido à ordem de Deus, o relacionamento entre Deus e a humanidade agora estava rompido. Mudou do companheirismo franco com Deus para a fuga por medo de Sua presença (Gên. 3:8-10). Alienação e separação substituem companheirismo e comunhão. O pecado apareceu, e com ele os seus resultados grotescos. A menos que algo seja feito, a humanidade caminha para a ruína eterna.

9. No meio dessa tragédia, qual foi a esperança e promessa de Deus? Veja Gên. 3:15

Em seu absoluto desamparo, Adão e Eva deveriam obter esperança nesta promessa messiânica, esperança que transformasse sua existência, porque esta esperança foi dada e sustentada por Deus. Esta promessa do Messias e da vitória final, declarada de forma um tanto vaga naquele tempo, os ergueu da depressão em que o pecado os havia colocado. Ela prometia um relacionamento renovado com Deus, graça e misericórdia, perdão e salvação.


Sexta Ano Bíblico: Gên. 811

Estudo Adicional

Havia um sermão evangélico, penso eu, naquelas três palavras divinas enquanto cruzavam a densa vegetação, e alcançavam os ouvidos entorpecidos dos fugitivos Onde estás? O seu Deus não está disposto a perder você; Ele veio para buscá-lo, assim como no futuro Ele pretende vir na Pessoa de Seu Filho, não só para buscar, mas para salvar o que agora está perdido." Charles Haddon Spurgeon, The Treasury of the Bible [O Tesouro da Bíblia], Antigo Testamento, vol. 1, pág. 11.

Para ter mais informações a respeito do assunto desta semana, leia os seguintes capítulos de Ellen G. White: Patriarcas e Profetas: "A Criação", págs. 44-51; "A Tentação e a Queda", págs. 52-62; e "O Plano da Redenção", págs. 63-70.

PERGUNTAS PARA CONSIDERAÇÃO:

1. O mesmo Deus amável e atencioso é quem sai em busca da humanidade. Como podemos atender a essa expressão de amor do Pai e de Jesus Cristo? Como Deus espera que atendamos?

2. Compare a descrição que a Bíblia faz da humanidade, uma raça caída de um lugar elevado na criação de Deus e precisando de redenção, com a teoria evolucionista de desenvolvimento. Qual delas oferece mais esperança? Por quê?

RESUMO: Deus nos criou à Sua própria imagem para que houvesse um companheirismo amoroso entre Ele e nós. Embora a entrada do pecado haja quebrado a união original, Deus busca restaurar esse relacionamento pelo plano da redenção. Como criaturas dependentes, a vida assume verdadeiro significado e clareza apenas quando entramos em união com o Criador.

AUXILIAR E COMENTÁRIOS ADICIONAIS

Esboço

Texto-chave: Gênesis 1:26 e 27

Objetivos:

1.Verificar o que a Bíblia ensina sobre as origens.

2. Lembrar-nos da relação que Deus quer ter com a humanidade e dos resultados do pecado.

3. Compartilhar a promessa de esperança que Adão e Eva receberam por ocasião da queda da humanidade.

Esboço:

I. Deus, o Criador de tudo

A. A noção de que Deus é Criador de todas as coisas é um ato de fé.

B. A humanidade foi criada com um propósito.

C. A fé sobre este assunto se baseia no relato de Gênesis.

II. A responsabilidade de ser criatura de Deus

A. Nossa relação e responsabilidade para com o mundo físico.

B. Nossa responsabilidade diante da humanidade.

C. Os requisitos de Deus sobre nosso relacionamento com Ele.

III. A primeira prova de fé e a promessa que surgiu dali

A. "A árvore" era um teste da fé e lealdade de Adão e Eva.

B. A oportunidade que a humanidade teve de usar o livre-arbítrio.

C. Devemos escolher livremente aceitar esse relacionamento efetivo e duradouro.

IV. A escolha humana de interromper o relacionamento com Deus.

A. O desprezo consciente da vontade de Deus muda tudo.

B. A promessa de esperança feita por Deus diante da tragédia.

C. Só podemos derrotar o pecado submetendo-nos a Deus.

Resumo:

Deus criou a humanidade à Sua imagem para que pudesse haver um relacionamento profundo entre nós. A pouca importância dada por Adão e Eva à vontade de Deus interrompeu esse relacionamento. Mas Deus tinha um plano B para restaurar essa relação por meio de Jesus, Seu Filho.

Comentários

A curiosidade irreverente é uma armadilha do diabo contra a fé, na qual a pessoa procura desvendar verdades que Deus nunca pretendeu que fossem investigadas (veja Deut. 29:29). "Mas quando Deus disse a Seu Filho: Façamos o homem à Nossa imagem, Satanás teve ciúmes de Jesus. Ele desejava ser consultado sobre a formação do homem, e porque não o foi, encheu-se de inveja, ciúmes e ódio." Ellen G. White, Primeiros Escritos, pág. 145.

I. A questão das origens

Em Gênesis 1:1, o verbo hebraico especial bara (criar) expressa a capacidade divina de converter a energia cósmica em matéria. Alguns crêem que o verbo bara expressa a emissão divina de energia criativa, que produziu alguma coisa a partir do nada. Bara foi a "origem absoluta, isto é, ... um início e produção a partir do nada (ex-nihilo) e não apenas uma adaptação de matéria ou pré-matéria preexistente". Harold Kuhn, "Deus Faz", The Living God: Readings in Christian Theology, pág. 481.

A fé perseverante resiste na meia-noite do desconhecimento sobre Deus, brilhando como um farol batido pela tempestade, que ri das ondas da incredulidade. É uma fé assim que sobrevive à névoa dos sistemas antibíblicos de fé a respeito da origem da humanidade.

"O espiritismo ensina que o homem é criatura susceptível de progresso; que é seu destino progredir, desde o nascimento, até a eternidade, em direção à Divindade." Ellen G. White, O Grande Conflito, pág. 554. "O darwinismo social... lança as bases para que os geneticistas e biólogos, sob o manto da ciência, categorizem a humanidade de forma a apoiar a superioridade racial, uma idéia que alcançou seu ápice na Alemanha nazista." Charles E. Bradford, Sabbath Roots: The African Connection, págs. 66 e 67.

II. À imagem do Criador

"Tal como Deus, [o homem] possuía a liberdade de escolha o direito de pensar e agir de acordo com imperativos morais. Assim, achava-se livre para amar e obedecer ou para desconfiar e desobedecer." Nisto Cremos, pág. 124.

III. Deus e a humanidade juntos

No sentido bíblico, quando "abençoa", Deus autoriza o funcionamento ou cumprimento da coisa abençoada. "Deus criou o ser humano para Sua própria glória, para que depois da prova e tentação, a família humana se tornasse uma com a família celestial. Era propósito de Deus repovoar o Céu com a família humana, caso se mostrassem obedientes a toda a Sua palavra." Comentários de Ellen G. White, SDA Bible Commentary, vol. 1, pág. 1.082, ênfase acrescentada. (Veja Isa. 43:7.)

IV. Junto à árvore

"Seus seguidores o estavam buscando; e ele [Satanás] se ergueu e, com olhar de desafio, lhes informou de seus planos para arrancar de Deus... Adão e sua companheira Eva. ... E se pudessem obter acesso à árvore da vida no meio do jardim, eles pensavam que sua força seria igual à dos santos anjos, e nem o próprio Deus os poderia expulsar." Ellen G. White, The Spirit of Prophecy, vol. 1, págs. 30 e 31.

Com palavras simples, Deus advertiu o santo par sobre o que fazer para evitar uma árvore que havia sido reservada somente para Ele. "O Senhor me proporcionou uma vista de outros mundos. Foram-me dadas asas, e um anjo me acompanhou da cidade a um lugar brilhante e glorioso. A relva era de um verde vivo, e os pássaros gorjeavam ali cânticos suaves. Os habitantes... eram de todas as estaturas; nobres, majestosos e formosos. ... Vi então duas árvores. Uma se assemelhava muito à árvore da vida, existente na cidade. O fruto de ambas tinha belo aspecto, mas o de uma delas não era permitido comer. Tinham a faculdade de comer de ambas, mas era-lhes vedado comer de uma. Então meu anjo assistente me disse: Ninguém aqui provou da árvore proibida." Ellen G. White, Primeiros Escritos, págs. 39 e 40. (Veja Gên. 2:15-17.)

V. Relacionamento interrompido

A teologia da rebelião humana está relacionada com o arrazoamento pecaminoso de Adão, que incluía o fruto proibido do relativismo. "Os dois comeram e... obtiveram... o conhecimento do pecado e um senso de culpa. A coberta de luz que existia sobre eles logo desapareceu, e sob um senso de culpa e perda de sua cobertura divina, um calafrio percorreu seu corpo. ..." Ellen G. White, The Spirit of Prophecy, vol. 1, pág. 40, ênfase acrescentada.

O relativismo, um novo modelo do mal, no qual a pessoa procura decidir seus próprios padrões de moralidade, compete com o Deus soberano e é invencível, a não ser pela intervenção divina. (Veja Juí. 21:25.)


Estudo Indutivo da Bíblia

Textos: Gênesis 1:27-29; Habacuque 2:17; I Coríntios 4:16

1. Gênesis indica que a humanidade foi criada originalmente à imagem de Deus. Isto se aplica só à existência antes da Queda, ou em certo sentido ainda é verdade agora?

2. Deus ordenou a Adão e Eva que cultivassem e guardassem a Terra e as forças da natureza. Como devemos interpretar esta ordem, tendo em conta a exploração geralmente irresponsável da natureza pela humanidade?

3. Adão e Eva caíram como resultado do exercício de seu livre-arbítrio. Esse livre-arbítrio, que Deus desejava que fosse um dom, foi transformado em maldição. Você pode pensar em outros exemplos de coisas que são boas em si mesmas mas podem ser pervertidas como resultado de más escolhas?

4. Adão, em vez de obedecer a Deus, obedeceu a Eva. O que este fato nos diz sobre o perigo de permitir que outras pessoas ou coisas nos afastem de nosso compromisso para com Deus?


Testemunhando

No término de cada dia da criação, Deus viu que tudo o que tinha criado era bom. Mas quando olhou para Adão, Ele disse: "Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea" (Gên. 2:18). Então Deus criou Eva de uma das costelas de Adão.

Deus não criou Eva da cabeça de Adão, para ela não tomar as decisões por Adão. Nem Deus criou Eva do pé de Adão, para que Adão não decidisse por Eva. Criou Eva da costela de Adão, para que eles estivessem lado a lado. Criou Adão e Eva iguais iguais no respeito mútuo iguais na tarefa de cuidar do Jardim do Éden, e iguais na busca ativa de um relacionamento com Deus. (Veja Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, págs. 46 e 50.)

Como você trata seu cônjuge não só em público, mas em particular? A maneira como você trata seu cônjuge testemunha de sua relação de aliança com Deus. Muitas mulheres sentem que devem conformar-se com um homem que as trata mal, e muitos homens sentem que são as mulheres que estão no controle.

A maneira como os cristãos se conduzem no casamento e em outras relações é um testemunho não apenas aos outros cristãos e jovens da igreja, mas a todo o mundo. Cônjuges amorosos mostram que homens e mulheres foram criados para amar e apreciar-se mutuamente.


Aplicações à vida diária

Ponto de Partida:

Uma lenda judaica afirma que Satanás não só convenceu Eva a desobedecer a Deus comendo o fruto proibido, mas também a seduziu. Como resultado, suas relações com o Criador foram cortadas permanentemente e foi assim que nasceu Caim, que simbolizava a união de Eva com o diabo.

Perguntas para consideração:

1. Embora não esteja de acordo com a Bíblia, esta lenda faz uma descrição do que acontece quando a humanidade interrompe sua relação de aliança com Deus. Nós somos descendentes dessa união. Como podemos recuperar nosso lugar legítimo de filhos e filhas de Deus? Como o fato de sermos criados à imagem de Deus nos protege contra o inimigo?

2. A Queda nos impede seriamente de ter um relacionamento completo com Deus. Jesus morreu para que nossa relação com Deus fosse restabelecida. Como o poder da cruz nos habilita a recuperar essa condição?

3. O Criador tomou tempo extra e cuidado ao criar Adão e Eva. Por que Ele fez da criação de nossos primeiros pais um evento sobre o qual tanto se falaria no decorrer da eternidade? Compare a criação da humanidade por Deus com os preparativos expectantes dos pais diante do nascimento de seu primeiro filho. Como essas semelhanças nos ajudam a entender o amor de Deus?

Perguntas de aplicação:

1. Como o acesso ao poder de Deus nos ajuda no crescimento espiritual e na compreensão dos planos de Deus para nós?

2. Por ser onisciente, Deus estava bem ciente do "risco" de criar a humanidade à Sua própria imagem. Imagine como ficou o coração de Deus quando teve que recorrer ao "Plano B" a morte de Seu único Filho. O que significa o plano B quando você sai dos limites do relacionamento com Ele? Suas diversões e tentações são semelhantes às de Adão e Eva?

3. Quando Jesus vivia na Terra, Seu toque curou muitas pessoas que creram. Esse toque era um vislumbre de Seu poder criador. Antes de partir, Ele prometeu que continuaríamos a ter acesso ao Seu poder criador (João 14:12-14). Esta promessa é figurada ou literal? Explique. Essa promessa faz diferença em sua vida diária?

COMENTÁRIO I:

Introdução

A religião se baseia em duas premissas básicas, que são a fé e o relacionamento com o objeto supremo desta fé, que é o deus que escolhemos servir. Todos temos um deus, pois o Senhor criou-nos com a necessidade de recorrermos a alguém, superior a nós, quando estamos aflitos. Para o materialista, este deus pode ser o dinheiro; para o existencialista pode ser o "aqui" e o "agora"; para os evolucionistas pode ser o "tempo", e até os ateus crêem, mas sem confessarem, em um poder fora deles mesmos que poderíamos chamar de "não deus". Mas nós, cristãos, cremos que o nosso Deus é o próprio criador dos céus e da Terra, cujo nome é Yaweh, o qual também nos criou à Sua imagem e semelhança.

Um dos planos de Deus ao nos criar era desfrutarmos de um relacionamento perfeito com Ele, a fim de sermos felizes para sempre ao Seu lado. Usando mal o livre-arbítrio dado pelo Criador, Adão e Eva escolheram romper o relacionamento ideado por Deus originalmente, e tiveram de ser expulsos do Éden. Entretanto, em Sua infinita sabedoria, Deus já tinha planejado, anteriormente à queda do homem, uma saída de emergência para esta triste situação. O plano, do qual Lúcifer não participara mas somente a Trindade, era o resgate da humanidade pelo próprio Criador, ou seja, Deus mesmo, na pessoa do Seu único Filho, invadiria o império de Satanás, amarraria o valente e feriria o seu calcanhar.

Unicamente Jesus, pela Sua morte vicária, poderia fazer este trabalho de restabelecer o relacionamento rompido entre Deus e Suas criaturas, perdoar e possibilitar a salvação do pior pecador, desde que houvesse sincero arrependimento, confissão e abandono dos pecados. Este perdão oferecido por Jesus não é meramente forense, judicial, mas, sobretudo, é transformador do coração. Por meio de Cristo, nós nascemos de novo, e por esta experiência Deus escreve a Sua santa lei nas tábuas de carne do nosso coração. Desta forma, deixamos de fazer as coisas que costumávamos fazer. Tendo a lei de Deus no coração, toda a vida é transformada, e entramos em um relacionamento especial com o Criador, relacionamento que as Escrituras chamam de "aliança eterna", uma aliança selada e ratificada pelo sangue de Jesus.

Em virtude disto, é uma blasfêmia chamar um homem de pontífice, porque esta palavra deriva de duas palavras latinas que significam "Pons" (ponte), e "Faccio" (que serve ou que faz de). Assim, pontífice significa: "que serve de ponte", e, portanto, apenas Jesus Se encaixa nesta descrição; somente Ele é a ponte entre Deus e o homem, pois pela Sua humanidade Ele Se liga aos homens, e pela Sua divindade Ele Se liga ao Céu. Da mesma forma é uma blasfêmia chamar um ser humano de vigário, pois esta expressão deriva da palavra latina "vicarius", que significa "em lugar de", e, como sabemos, apenas Jesus sofreu e morreu em nosso lugar. Apenas Ele é o nosso verdadeiro "vigário"!

O que aconteceu?

Aceitamos pela fé que os céus e a Terra, bem como todas as coisas animadas e inanimadas do Universo foram criadas por um Deus bom, justo, onisciente e onipotente. As Escrituras Sagradas são o único documento escrito em que baseamos nossa fé, No livro de Gênesis, extraímos a informação de que tudo o que Deus criou era muito bom, principalmente a Sua obra-prima, a criação do homem e da mulher no sexto dia. Não havia furacões, guerras, terremotos, fomes e doenças. Mas hoje, somos atormentados por tudo isso e muito mais.

O que aconteceu então? De quem é a culpa afinal? Quando comparamos o mundo em que vivemos hoje com o descrito no relato da criação em Gênesis, percebemos que algo terrível aconteceu. A lição desta semana vai analisar basicamente três coisas: 1) O que realmente Deus fez; 2) o que aconteceu com a criação perfeita de Deus; 3) e o tema que será o assunto de todo o trimestre: o que Deus está fazendo para restaurar a Sua criação e criaturas, enquadrando-os em Seu plano original.

A origem de todas as coisas (Domingo)

Através dos anos os filósofos sempre procuraram responder a três perguntas básicas que são: a) de onde eu vim; b) o que eu sou; 3) e para onde eu vou.

No período da Escola Jônica, que antecede ao período Pré-Socrático, surgiram alguns filósofos que tentaram responder a estas perguntas. Anaxímenes, por exemplo, dizia que surgimos do ar, Anaxágoras cria que as nossas origens foram na água, Heráclito dizia que todas as coisas vieram do fogo, Anaximandro afirmava que viemos do ápeiron, isto é, do desconhecido, Arquimedes acreditava que todos somos números, que nos multiplicamos de dez em dez, e, para ele, Deus era a grande Unidade, ou seja, o número Um; Empédocles afirmava que a origem de todas as coisas baseia-se num elemento chamado "homemomerias", que é difícil definirmos ao certo.

Portanto, as especulações filosóficas a respeito das nossas origens são infindáveis, e não se conformam entre si. Contudo, a respeito das nossas origens, as Escrituras Sagradas simplesmente dizem que "no princípio, criou Deus os céus e a Terra" (Gên. 1:1). Nós, Adventistas do Sétimo Dia, cremos nesta declaração. A Bíblia não tenta provar que Deus é o Criador. Não existem argumentos elaborados para provar nada; a fé é o único caminho para aceitar esta declaração, pois nenhum de nós estávamos lá para ver o processo da criação; seria uma impossibilidade lógica termos estado em nossa própria criação.

Mas, se para nós, criacionistas, necessitamos de fé em um Deus Criador, muito mais fé necessitam os evolucionistas para crer que todas as coisas surgiram por acaso, sem um planejamento elaborado por uma mente inteligente e onipotente.

À imagem do Criador (Segunda-feira)

De toda a criação realizada pelo Senhor nos seis dias referidos em Gênesis, o homem e a mulher constituem-se em Sua obra-prima, pois "criou Deus... o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou" (Gên. 1:27). Comentando sobre a expressão à "Sua imagem" o Comentário Bíblico Adventista afirma que "o homem deveria ter a imagem de Deus tanto na semelhança exterior quanto no caráter. Mas esta imagem deveria ser mais evidente em sua natureza espiritual. Ele se tornou uma alma vivente, ou um ser vivente, dotado de livre-arbítrio, uma personalidade auto-consciente."

As próprias palavras hebraicas relacionadas à criação demonstram a forma diferenciada em que nossos primeiros pais foram criados. A palavra "barah" significa "criar do nada", a expressão "Asah" quer dizer "criar usando matéria pré-existente", e o termo mais significativo de todos é "Yatsar", cujo significado é "criar com as próprias mãos", isto é, "manufaturando". Deus criou os nossos primeiros pais com as Suas próprias mãos. Não é tremendamente significativo isto? É por isto que o rei Davi numa ocasião expressou: "Graças Te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste" (Sal. 139:14). Dentre as diferenças entre a criação do homem e as demais criaturas, destacam-se principalmente a capacidade do livre-arbítrio, que Deus nos deu, e a do raciocínio lógico, pois somente o homem tem a capacidade silogística de dizer que dois mais dois são quatro.

Deus e a humanidade juntos (Terça-feira)

Nas palavras de Gênesis 1:28 e 29 lemos sobre as primeiras palavras pronunciadas por Deus à humanidade; o que elas realmente significam? Quais são suas implicações?

Primeiramente podemos afirmar, com base nestes versos, que a alegação de algumas pessoas de que a prática do sexo é pecaminosa, pois foi por este motivo que Adão e Eva foram expulsos do Éden, é totalmente contrária à ordem do Criador que disse: "... sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeita-a" (Gên. 1:28).

Em segundo lugar, Deus lhes ordenou que fossem senhores da criação maravilhosa que Ele fez, quando disse: "... enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra" (Gên. 1:28). Diante disto, podemos afirmar que Deus estava colocando as coisas nos seus devidos lugares, isto é, a criação jamais deveria ser deificada mas somente o Criador.

Falando sobre o perigo de exaltar a natureza acima do Criador, Ellen G. White, a voz profética do movimento adventista, afirma que "a iniqüidade em Israel durante o último meio século antes do cativeiro assírio, era comparável à dos dias de Noé, e de qualquer outro século em que os homens tenham rejeitado a Deus e se entregado inteiramente à prática do mal. A exaltação da natureza acima do Deus da natureza, a adoração da criatura em lugar do Criador, tem sempre resultado nos mais terríveis males. Assim, quando o povo de Israel, em seu culto a Baal e Astarote, rendeu suprema homenagem às forças da natureza, desvinculou-se de tudo que é inspirador e enobrecedor e caiu presa fácil da tentação. Com as defesas da alma destruídas, não tinham os enganados adoradores qualquer barreira contra o pecado, e renderam-se às más paixões do coração humano."2

Através destes versos (Gên. 1:28 e 29) podemos ver também que Deus deu os primeiros passos em direção ao relacionamento com a humanidade, tratando Adão e Eva como seres inteligentes, que podiam interagir com Sua bondade e entrar em comunhão e companheirismo com Ele, como seres dependentes da bênção e do cuidado de seu Criador e Pai. Assim, Deus manifestou-Se a eles como um grande amigo, mas um amigo que era o seu Criador.

O teste de obediência e o relacionamento rompido (Quarta e Quinta-feira)

Sempre foi o propósito de Deus que os Seus filhos manifestassem basicamente duas coisas para com Ele: a) aceitação da Sua pessoa; b) aceitação das Suas palavras. Existem algumas pessoas que fazem uma dicotomia entre a pessoa de Jesus e os Seus ensinos, e afirmam que a aceitação de Jesus, por si só, já é suficiente para a salvação. Entretanto, as palavras do Senhor ao afirmar: "se Me amais, guardareis os Meus mandamentos" (João 14:15) derrubam esta teoria e ratificam a necessidade de obediência aos Seus ensinos. Na verdade, o Criador sempre testou, testa, e testará o nível de confiança e de amor que temos para com Ele, mediante algumas provas. Assim como "não se pode separar o Sol dos seus raios, também não se pode separar a pessoa de Jesus dos Seus ensinos",3 isto é, o perfeito relacionamento com Deus somente existe se as pessoas O aceitam, assim como os Seus ensinos.

Em relação a Adão e Eva, lemos nas Escrituras que o teste de amor e confiança deles para com a pessoa de Deus incluía a obediência às Suas palavras: "... de toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás" (Gên. 2:16 e 17). Neste teste, Deus desejava mostrar que os fez seres morais livres, e estava dando uma oportunidade de exercitarem seu livre-arbítrio.

Entretanto, Adão e Eva caíram como resultado do exercício de seu livre-arbítrio. Esse livre-arbítrio, que Deus desejava que fosse um dom, foi transformado em maldição. Sabemos que enquanto Eva foi enganada, Adão desobedeceu conscientemente; ao invés de obedecer a Deus, ele obedeceu a Eva. Ambos falharam no teste; desejaram dar um grito de independência de Deus. Aliás, pecado significa falhar na lealdade e fé em Deus, e dar um grito de independência dEle.

A atitude de Adão e Eva resultou no conhecimento do mal, e o mal conduz à separação, solidão, frustração e morte.

Pode ocorrer-nos o pensamento de que Deus não foi muito justo para com os nossos primeiros pais, cobrando deles, e conseqüentemente de nós, um preço muito alto por uma conta muito pequena, ou seja, um simples bocado numa fruta proibida, que resultou na expulsão de Adão e Eva do Éden, e milhares de anos de sofrimento, morte e dor. Por que isto?

A razão é simples: se Deus os testasse com uma prova maior, provavelmente seriam levados a pensar que Deus não leva em conta as pequenas coisas, e assim poderiam passar por alto algumas ordens do Senhor que considerassem de pequeno valor. Entretanto, o Criador deu-lhes um pequeno teste, que envolvia o grande princípio da lealdade e confiança, para mostrar-lhes que Ele não desconsidera as pequenas coisas que fazemos conscientemente.

E, como resultado da franca desobediência dos nossos primeiros pais à ordem expressa do Senhor, o perfeito relacionamento entre Deus e a humanidade se rompeu. Na verdade, o pecado causou quatro rupturas, ou abismos que são: a) entre Deus e o homem; b) entre o homem e seu semelhante; c) entre o homem e a natureza e, finalmente, d) dentro do próprio homem, que já nasce com tendência para o mal. Assim, o pecado apareceu, e com ele os seus tristes resultados. A menos que algo fosse feito, a humanidade caminhava para a eterna destruição. Mas, no meio dessa tragédia, o Senhor fez a promessa: "Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar" (Gên. 3:15).

O significado deste texto é muito mais profundo do que imaginamos, pois além de vaticinar a derrota de Satanás por Jesus na Cruz, ele também profetiza a "inimizade sobrenatural" que seria colocada no coração da pessoa convertida a Cristo, contra Satanás e o pecado. Comentando sobre isto, Ellen G. White afirma que "a sentença divina pronunciada contra Satanás depois da queda do homem, foi também uma profecia, abrangendo todos os séculos até ao final do tempo, e prefigurando o grande conflito em que se empenhariam todas as raças dos homens que vivessem sobre a Terra. Deus declara: "Porei inimizade.

"Esta inimizade não é entretida naturalmente. Quando o homem transgrediu a lei divina, sua natureza se tornou má, e ele ficou em harmonia com Satanás, e não em desacordo com ele. Não existe, por natureza, nenhuma inimizade entre o homem pecador e o originador do pecado. Ambos se tornaram malignos pela apostasia. O apóstata nunca está em sossego, exceto quando obtém simpatia e apoio, induzindo outros a lhe seguir o exemplo. Por este motivo os anjos decaídos e os homens ímpios se unem em desesperada união.

"Se Deus não Se houvesse interposto de maneira especial, Satanás e o homem teriam entrado em aliança contra o Céu; e, ao invés de alimentar inimizade contra Satanás, toda a família humana se teria unido em oposição a Deus. ... Quando Satanás ouviu a declaração de que existiria inimizade entre ele e a mulher, e entre a sua semente e a semente dela, compreendeu que seus esforços para depravar a natureza humana seriam interrompidos; que por algum meio o homem seria habilitado a resistir ao seu poder. ...

"É a graça que Cristo implanta na alma, que cria no homem a inimizade contra Satanás. Sem esta graça que converte, e este poder renovador, o homem continuaria cativo de Satanás, como servo sempre pronto a executar-lhe as ordens. Mas o novo princípio na alma cria o conflito onde até então houvera paz. O poder que Cristo comunica, habilita o homem a resistir ao tirano e usurpador."4

Em seu absoluto desamparo, nossos primeiros pais deveriam obter esperança nessa promessa messiânica, esperança que transformasse suas vidas, porque foi Deus quem fez a promessa, e Ele é fiel e sempre cumpre o que promete. Esta promessa do Messias e da vitória final os ergueu da depressão em que o pecado os havia colocado, porque prometia um relacionamento renovado com Deus, graça e misericórdia, perdão e salvação eterna.

Pr. Paulo Cilas da Silva

COMENTÁRIO II


Também disse DEUS: Façamos o homem à Nossa imagem conforme a Nossa semelhança; ... Criou DEUS, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de DEUS o criou; homem e mulher os criou (Gen. 1:26 e 27)

À imagem e semelhança de DEUS o homem e a mulher foram criados. DEUS é o ser mais lindo do Universo. Nunca O vimos, mas temos certeza disto. Em breve O veremos. Tudo o que DEUS traz à existência, o faz segundo o Seu bom gosto, mas os seres humanos, fê-los com duas características especiais: à imagem dEle mesmo, e à Sua semelhança. O que isto significa? Quanto a imagem, temos os traços físicos parecidos dos que DEUS possui. Somos seus filhos como se nascidos dEle, mas fomos criados porque DEUS não gera a vida, Ele a cria. Somos à semelhança de DEUS porque temos parte dos atributos intelectuais que Ele tem, embora, no nosso caso, sejam limitados. Isto é, somos seres inteligentes, capazes de planejar o que fazer, de avaliar o que fez, e principalmente, de seguir obedecendo princípios e por intermédio deles sermos livres. Isto é fantástico, maravilhoso.

DEUS nos fez para a Sua honra e glória. A nossa vida, a felicidade, nossas realizações, na condição da perfeição que Ele havia planejado, seriam para a Sua honra. Vale dizer, a nossa felicidade seria a felicidade dEle, o nosso bem estar seria motivo de satisfação para Ele. A honra a DEUS advém da excelência da condição de vida que Ele preparou para os seres humanos. O Criador nos deu vida eterna condicionada à obediência aos eternos princípios da felicidade, da vida e do amor. O mundo deveria ser um ninho de prazer puro, movido pelo amor puro, resultante da obediência a mandamentos que em essência não são outra coisa senão a fórmula do amor, da vida e da felicidade eternas. Isso é o que proporciona honra a DEUS como Criador. Ele Se sente realizado como Criador ao ver suas criaturas vivendo e se desenvolvendo em absoluta perfeição, sem que lhes ocorra algum motivo de preocupação, de incerteza, de dor, nem de lutas ou de morte. DEUS não está satisfeito por ver seus filhos envolvidos no trabalho para obter o sustento, Ele quer que trabalhemos pelo prazer de fazer funcionar a inteligência e as capacidades de estudar, planejar, inventar, construir, nos desenvolver, e entender cada vez mais o amor de DEUS.

DEUS, quando criou, sabia o que estava fazendo. E disse ao final: eis que é muito bom. E assim deveria permanecer para sempre, excelência sem jamais dar oportunidade a ter alguma idéia de que a realidade poderia ser diferente daquela, ou seja, de que pode existir o mal. Os seres humanos não deveriam nem em pensamento saber do mal. Interessa esse conhecimento? Absolutamente não, ele não serve para nada, exceto para provocar preocupações. A perfeição requer, ou que não haja conhecimento do mal, ou que dele não tenham restado motivos para a sua lembrança. Um dia tudo voltará outra vez à perfeição, bem logo. Assim cremos, pois assim o anunciam as profecias!





Tartaruga que não acaba mais...



No princípio, criou DEUS os céus e a Terra (Gen. 1:1).

(Esse título, meio curioso, refere-se a crenças no passado remoto, inclusive entre meios científicos da época, de que o planeta era sustentado por uma equipe de tartarugas. Outras versões sugeriam elefantes. A Bíblia, desde os primeiros livros que foram escritos, apresentava a idéia correta de que o nosso planeta era um globo suspenso no espaço. Ver. Jó 26:7.)

No princípio, quando se iniciou o processo de suprema inteligência que só DEUS possui, todas as coisas foram criadas. A criação é um ato da exclusiva capacidade de DEUS. Criar do nada, pela força dos planes elaborados no recôndito da mente, isso só DEUS é capaz de fazer. Só Ele é capaz de ser Criador. Essa capacidade não tem limites, e compõe-se de sabedoria, inteligência e poder, tudo orientado pelo princípio de Seu caráter, o amor. Com base nesses ingredientes o Criador trabalha. A Sua vontade, pela Sua palavra, se torna realidade, e para isto, Ele não necessita nada além da vontade de criar. O Seu incrível poder possibilita a que, do nada, Ele faça o que quiser, e o faz com perfeição. DEUS não se contenta com o mínimo de inferioridade à perfeição.

Quando ocorreu esse princípio, nós, seres humanos não estávamos lá fisicamente. Estávamos sim, conceitualmente, ou seja, na mente do Criador, nos Seus planos. É maravilhosos pensar que eu e você já existíamos como projeto, na mente de DEUS, a quem sabe milhares ou milhões de anos atrás. Essa é uma das capacidades de DEUS, tornar realidade o que projeta em Sua mente, maravilhosa mente. Nós. Fisicamente não estávamos lá, porque Ele ainda estava criando. Portanto, é a nós impossível questionar qualquer coisa aqui, do tipo: Por que ele criou? Por que me criou? Por que me fez assim? A lógica da sabedoria superior não aceitaria tais questionamentos. Como pode o produto queixar-se ou argumentar porque quem o fez, sobre o que fez? É o contrário, a sabedoria requer que, sejamos agradecidos, pois, afinal, existimos. Agradecidos porque fomos feitos perfeitos, para viver felizes eternamente, agradecidos porque, apesar do pecado, o próprio Criador veio até nós, tornou-se um como somos, nas limitações em que nos encontramos e nas condições em que vivemos, para nos restabelecer outra vez à perfeição. Isto é amor! Sim, só temos motivos para sermos gratos ao Criador.

Como ser gratos ao Criador? Eis outra vez a sabedoria do próprio Criador, que nada esqueceu. Lembra-te do sábado para o santificar... porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e tudo o que neles há (Êxo. 20:8...). A essência de nossa gratidão está na aliança que Ele mesmo proveu para sermos íntimos com Ele, querido ser eterno que quer estar junto de Suas criaturas, para sempre, garantindo a felicidade de todos.





À imagem do Criador



Criou DEUS, pois, o homem à Sua imagem, à imagem de DEUS os criou; homem e mulher os criou (Gen. 1:27).



À imagem de DEUS, significa que temos os Seus traços físicos, ou seja, temos o mesmo perfil de silhueta. Já nos referimos a isto, tal particularidade nos coloca como filhos de DEUS. Os animais e as plantas não podem ser categorizados como filhos do Criador, mas criaturas de natureza bem inferior aos seres humanos.

Por outro lado, essa característica, ao lado da semelhança a DEUS, que nos torna superiores às demais criaturas, não significa que somos tais como DEUS, ou seja, que sejamos deuses. Não há no universo a necessidade de outro ser Criador e mantenedor. Os seres que compõem a trindade existem desde sempre, e sempre existirão. A força que os mantém unidos é também onde possuem sua capacidade de criar e de manter, essa força está no amor.

A capacidade do Criador é infinita em todos os seus atributos. Mesmo que o Universo criado seja infinito em tamanho, o que é uma possibilidade, quem cria sempre é superior ao que criou. Por mais complexo que seja o que foi criado, por mais vasto que seja, manter tudo isso, a tarefa não cansa o Criador. Pelo contrário, traz a Ele felicidade, é a Sua glória. Ele é, na realidade, o servo disso tudo.

O desígnio das criaturas não é serem deuses, mas serem sustentadas pelo DEUS Criador. É viverem para a felicidade uns dos outros, nos limites que DEUS determinou para eles. Não fomos criados como deuses, e não teremos jamais capacidade de nos tornarmos como DEUS é, na plenitude de Seus atributos. Um desses atributos é a capacidade de criar do nada. Nisso Ele se distingue dos demais.





DEUS e a humanidade juntos



E DEUS os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a Terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja na Terra. E disse DEUS ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a Terra e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento (Gen. 1:28 e 29).



Uma vez feitos, DEUS abençoou Adão e Eva. Abençoar significa, pela palavra de DEUS, a garantia de prosperidade, de que tudo irá bem e que vai haver segurança e proteção. Ou seja, pela declaração do verso acima, DEUS, após ter criado o homem e a mulher, os constituiu como administradores sobre tudo o mais na Terra. Ele fez tudo para que esses dois, e seus descentes, disso dispusessem para seus planos. Deveriam fazer disso bom proveito, eram os responsáveis por tudo. Eles, pela garantia de DEUS, seriam bem sucedidos na responsabilidade que receberam, e seu trabalho seria para a felicidade deles e de todos seus descendentes.

A Bênção significa que a administração de Adão e Eva seria bem conduzida enquanto estivessem com DEUS, sendo a Ele obedientes. DEUS garantiria o que necessitassem para que fossem bem sucedidos, e que essa administração sempre resultasse em felicidade. Deveriam encher a Terra com filhos, netos, bisnetos..., expandindo as fontes e os motivos para amar, expandindo a felicidade, e enchendo a Terra de seres capazes de amar e de fazer o bem. Assim deveria ser a administração de Adão e Eva, à semelhança de DEUS, com a mesma lei e os mesmos princípios que Ele utiliza para criar e manter.





Junto à arvore



E o Senhor DEUS lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás (Gen. 2:16 e 17).



A esse versículo devemos emprestar sabedoria superior para interpretar. Não sejamos ingênuos diante dele, há nele muita profundidade. Ela merece ser devidamente considerada.

A nossa semelhança com DEUS determina que temos a capacidade de tomar decisões. Somos seres racionais, isto é, com inteligência capaz de considerar muitas informações, elaborar planos, avaliar os planos e decidir por um deles, certamente, o melhor. Somos capazes de traçar nosso caminho e construir nosso futuro.

Mas não somos independentes do Criador. Necessitamos dEle em muitas coisas, principalmente dos princípios para pensar e realizar. Esses princípios derivam do amor, que é a essência do caráter de DEUS, e que forma a Sua mente. Por isso Ele quer colocar a Sua Lei em nossa mente, isso nos torna outra vez à Sua semelhança. Ser à semelhança de DEUS é conduzir-se, racionalmente, pelos mesmos critérios que Ele se conduz, os critérios do amor. Por esses critérios, que devem estar na mente, temos o direito e a capacidade de sermos livres em DEUS. Podemos decidir o que queremos ser e o que queremos fazer, e tudo será bom porque será orientado pelo amor. Não há como algo dar errado se for realizado pela influência do amor.

Há, no entanto, uma condição, que se estiver ausente, impossibilita a perfeita liberdade. Essa condição é a possibilidade de desobedecer. Se o ser humano, feito com poder intelectual suficientemente poderoso para governar a si mesmo não tivesse essa possibilidade, não seria livre, nem sua racionalidade teria condições de mover-se, em atos, livremente diante de DEUS. Assim, também DEUS não teria a glória de Suas criaturas, pois elas seriam fiéis a Ele por falta de opção.

DEUS nos queria ver livres, com possibilidade de optar. Sendo nós dependentes dEle, pois não somos deuses, deveria, evidentemente, haver uma ligação ao Criador pela obediência. Uma coisa é obedecer sem possibilidade de desobedecer, outra, é com essa possibilidade. Obedecer a DEUS é seguir os seus princípios, aqueles que formam o Seu caráter, pelos quais Ele é bom, vive, cria, mantém, e torna tudo perfeito. Obedecer é adotar esses princípios, ou seja, é ter as leis de DEUS, de Seu caráter, em nossa mente, ou seja, em nosso caráter. Assim a nossa vontade será tal como a vontade dEle, e o que fizermos, também será bom, como o que Ele faz.

Precisamos refletir algo sobre a liberdade. Ser livre é fazer qualquer coisa que deseje fazer, sem nenhuma restrição. Observe bem, o que deseja, essa palavra desejar, ou, vontade, é essencial para entendermos a liberdade.

Há, no entanto, outro ingrediente além da vontade, para sermos perfeitamente livres. Esse ingrediente é a felicidade. Se pudermos fazer tudo o que quisermos, mas não somos felizes, então não somos livres. Ser livre é também estar isento de qualquer preocupação, ou melhor, estar livre de qualquer restrição, inibição, constrangimento. Portanto, para ser perfeitamente livre, é um tanto complicado, devemos ter condições de pensar e fazer o que queiramos e também de sermos plenamente felizes.

Como, então, proceder para que sejamos livres? Aí que entra a Lei de DEUS, a Lei do amor. Quem ama só tem desejos nobres, e só procede para o bem de todos, pensando pelo bem do próximo como se fosse a si mesmo. Há uma única maneira para sermos livres, termos a Lei de DEUS nos corações e nas mentes. Assim, a vontade sempre será boa, e jamais teremos algum desejo de fazer o que quer que seja que prejudique alguém. Foi assim que JESUS viveu aqui na Terra e foi assim que permaneceu em Sua angústia, até o momento da Sua morte na cruz. Ele mostrou como se aplica a Lei do amor na prática, sendo obediente até a morte, e que morte!

Portanto, para sermos livres, é-nos necessário termos tais princípios de vida para que, obedecendo-os, somente tenhamos vontade de proceder corretamente, e não tenhamos nenhuma vontade de causar mal a quem quer que seja. Isso é divino, essa é a Lei DEUS, os Dez Mandamentos, assim é DEUS. Ser à Sua semelhança, é, no caráter ser tal como Ele é, nada menos.

A árvore era simplesmente um teste pedagógico para o cultivo inteligente da liberdade, ou seja, da capacidade de, por livre opção, sem nenhum constrangimento, sem nenhuma interferência no momento das decisões, de manter-se obediente (isto é fidelidade) aos princípios que formam o próprio caráter de DEUS, hoje transcritos em forma de Dez Mandamentos, constantes no cap. 20 de Êxodo. E para sermos felizes precisamos ser assim livres, com o direito de escolha entre obedecer aos princípios do caráter daquele que nos fez, ou não. A felicidade é resultante da sensação de ter feito o bem e ter agido do modo correto, e com isso, ter obtido bons resultados e ter proporcionado condições para a felicidade de outros, inclusive de seres inferiores, os animais. Estes, sua felicidade, depende de como nós, seres inteligentes, procedermos. A felicidade geral depende da ação da inteligência, e esta ação, se for livre pela influência do amor, somente contribuirá para que todos vivam para sempre e sejam felizes.

Ao desobedecerem eles ao mandato de DEUS, de não comer daquela específica árvore, o que eles na realidade fizeram foi desvincular-se do Criador e vincular-se a outro Senhor. Em tempo, a obediência ao amor, ou seja, a DEUS, proporciona que se tenha vida eterna, pois Ele é a fonte (origem) de vida e O que pode mantê-la para sempre nos seres que cria. E a vinculação a DEUS dá-se pela obediência, como acima esclarecemos. Ou essa obediência é livre, ou não é obediência, é escravidão. Só existem duas formas de submissão a outro ser, por livre obediência ou sendo escravizados, evidentemente, à força, contra a vontade, ou sendo enganados. Ao eles desobedecerem a restrição quanto a árvore, algo extremamente fácil de ser obedecido, e no mais lhe era impossível fazer algo errado, não tinham eles noção para isto (eles jamais matariam, não roubariam, não mentiriam, etc...) vincularam-se a um senhor que é incapaz de prover a vida, pois não é DEUS. Vincularam-se a satanás, que é apenas uma criatura. Como é DEUS que provê a vida, e como satanás não pode fazê-lo, o resultado dessa nova vinculação é, obviamente, a morte, por falta de suficiente ligação com o autor da vida. Ao sermos restaurados para a capacidade de perfeita obediência ao Criador, então também seremos capazes de obedecer-Lhe em toda a plenitude do amor, e assim Ele será nosso único Senhor, e nós poderemos viver eternamente. Ali celebraremos o sábado pois é o dia em que se comemora a vida, uma vez que tudo o que existe, inclusive a vida, foi criado nalgum dos seis dias anteriores. Já quem santifica o domingo, celebra a morte, pois antes desse dia nada ainda fora criado. Pelo domingo homenageia-se uma criatura, no caso, o pretendente a ocupar o lugar do Criador, satanás, conforme Isaías 14:14: serei semelhante ao Altíssimo.

No reino de DEUS, o mecanismo de funcionamento é um só: a obediência livre e espontânea à Lei de DEUS. DEUS jamais manda, Ele pede, e assim são todos no Céu. Lá todos servem, e todos obedecem uns aos outros, não porque foram mandados, mas porque se dispuseram a serem úteis uns aos outros. Assim, lá, jamais haverá algum desentendimento, enquanto esse for o procedimento será impossível o surgimento de motivos para briga. Lá a capacidade, a competência, o poder, etc., não são para dominar, mas para servir, e DEUS é infinitamente poderoso para servir, ao mesmo tempo, a todos. Quanto maior no reino do Céu, mais capaz de servir, maior sua capacidade de promover a felicidade dos outros, e também mais feliz será.





Relacionamento interrompido



Já dissemos que o mecanismo de funcionamento do governo de DEUS é a obediência. O próprio DEUS age por esse mecanismo, e todos os seres perfeitos agem assim. DEUS é absolutamente fiel aos seus próprios princípios, que fazem parte da natureza dEle mesmo. Ele jamais trai a Sua própria natureza, por isso, Ele é absolutamente confiável. Ele nunca muda, Ele é, ou seja, nas Suas palavras: Eu Sou, ou ainda, não existe ninguém nem nada acima dEle. Todo o Universo que existe provém do que Ele é e do que Ele quer. E, por fim, DEUS é amor (I João 4:8).

O amor não impõe, (veja I Cor. 13), só solicita educadamente. E quando o amor pede alguma coisa, é porque já sabe que nós temos vontade de atender ao pedido. Essa é a sua ética, e ela é incrível. Valerá a pena aprofundar-se nessa ética durante a eternidade, um assunto fascinante. Já pensou viver num lugar com uma ética assim? Que delícia deve ser um lugar assim! Portanto, no governo de DEUS, não nos cansamos de repetir, quem governa é tão inteligente e tão impregnado pelo amor, que jamais contraria quem quer que seja, mas está sempre a oferecer sua bondade pela felicidade de todos. E quem precisa ser contrariado no céu, se todos vinculam-se entre si pelo amor? E os governados, tem o mais profundo desejo de servir obedecendo livremente a quem os governa. Isso é algo impressionante, mas infinitamente agradável. Assim, DEUS Se relaciona com Suas criaturas pela sua infinita vontade de lhes fazer bem, de lhes garantir a vida, e de lhes prover tudo o que se requer para serem felizes. E as criaturas lhe obedecem nos princípios que são Ele mesmo, identificando-se com Ele em amor, e nisso tornando-se perfeitos como Ele é perfeito, santos como ele é santo. Disso resulta uma harmonia plena, total, que só pode ser rompida pela desobediência ao que garante tal integração, a desobediência aos princípios do amor. Pense nisso, e perceba como o mecanismo de funcionamento do Céu é simples.

Como a obediência é o único pilar de sustentação estratégica do governo de DEUS, quem desobedece, retira-se desse reino, e perde, naturalmente, a condição de vida. Perde também a felicidade, descobrindo, aos poucos, o mal, e isso continua assim até que venha a morte, que, diante da situação a que o ser humano pecador chega mostra-se como um alívio.

Quando Eva pecou, provocou sobre si a condição da morte. O pecado dela não foi, no entanto, tão grave, pois ela foi enganada. Mas o pecado de Adão foi consciente. Ele sabia que iria morrer ao comer do fruto. Não sei o que aconteceria se Adão não tivesse comido. Ele comeu porque não queria separar-se de sua esposa, ele a amava. No entanto, nesse momento, em sua liberdade, não confiou em DEUS e em Seu amor. Não creu que DEUS poderia encontrar alguma solução para o caso, como naquele dia mesmo a solução foi anunciada para os dois e para os seus descendentes. Se só Eva tivesse pecado, parece evidente que ela deveria ser retirada das proximidades da árvore do jardim, para não tornar-se uma pecadora com direito a vida eterna. Eles seriam separados um do outro, para não procriarem um novo ser gerado entre o ser santo e um ser pecador. Como seria isto, não sei, mas de uma coisa tenho certeza, o amor de DEUS não deixaria dr prover uma solução. Ele assim não procriariam, e DEUS certamente não criaria outra mulher para Adão. Isso é evidente, pois Adão já se havia apegado pelo amor a Eva. Então, também parece óbvio, decerto o Senhor viria em sacrifício somente por Eva, até que ambos outra vez estivessem juntos. Sem o pecado de Adão não teria havido descendência, portanto, não teria havido humanidade, ou seja, bilhões de sofredores, como vemos hoje. Eva iniciou o pecado, mas Adão o multiplicou para bilhões de pessoas. Adão, no momento da decisão, não confiou suficientemente em DEUS, e também não usou de seu direito de chamar seu Senhor para pedir auxilio. A condição de liberdade requer que DEUS não se intrometa em nossas decisões, exceto se nós desejarmos sua participação. Nesse caso, a liberdade não é violada, pelo contrário, ela foi legitimamente exercida em favor de decisões corretas.





Aplicação do estudo



Algumas perguntas exploratórias devem ser feitas para a compreensão de pontos importantes sobre o governo de DEUS, sobre a liberdade, sobre a Lei e sobre o amor. Onde estava DEUS quando Eva foi tentada e caiu? Onde estava DEUS quando a Adão foi oferecido do fruto proibido, e por amor a Eva, comeu, sabendo que assim iria morrer?

Se DEUS não estava ali, sabendo nós que Ele jamais comete algum erro, então havia razões para esse procedimento. Para haver liberdade é preciso haver livre arbítrio, e isto implica em ter o direito de decidir por si, sem a influência por iniciativa de um terceiro. Significa também que o ser inteligente tem o direito de solicitar ou rejeitar a participação de quem quer que seja, tanto para o bem, quanto para o mal. Aqui está o ponto essencial.

Prestemos atenção, DEUS, naqueles momentos cruciais, não estava fora do alcance. Ele estava ali sim, e, tenhamos absoluta certeza, no maior sofrimento, vendo o que se passava. Ele estava a disposição, pronto para entrar em ação em favor de Eva e de Adão. Na realidade, esses foram momentos exclusivos de Eva e Adão, cabia a eles solicitar a participação de DEUS ou não solicitar. Eles não solicitaram, mas, permitiram a participação de um inimigo, satanás, este sim, que sorrateiramente se intrometeu onde não fora chamado. DEUS não age assim, mas satanás age, cuidado com ele. Você não precisa ter o menor cuidado com DEUS, que nem para o bem (para o mal DEUS jamais faria algo) Ele se intromete na liberdade que Ele mesmo nos garantiu. DEUS é perfeitamente fiel aos Seus princípios.

Nos momentos cruciais, na verdade Eva e Adão, de certa forma, permitiram a participação de um inimigo no que eles estavam decidindo, e por exclusão, porque não o chamaram, pois bastaria apenas em pensamento lembrar da necessidade de DEUS ali e Ele já Se manifestaria prontamente (como foi no barco sob a tempestade, em que JESUS, após ter sido rejeitado pelos discípulos, pôs-se a disposição caminhando por sobre as águas, ao pedido de socorro disse: filhinhos, sou Eu).

Se Eva, no momento em que estivesse ouvindo as mentiras de satanás por intermédio da serpente, tivesse, ao menos em pensamento (DEUS lê os pensamentos) tido o desejo de consultar a DEUS, imediatamente lá Ele estaria para esclarecer tudo o que fosse necessário. Ela teria tomado a decisão certa, refutado satanás de imediato. E mesmo que ela tivesse solicitado a DEUS como decidir, seria legítimo Ele dizer a ela qual a decisão correta, Dessa forma seu conselho não feriria a liberdade dela. Mas, infelizmente, nem da parte de Eva, nem da parte de Adão houve consulta a DEUS. Eles agiram, nesse momento crucial, sem se aconselharem com ninguém, e nem entre si trataram do assunto. Simplesmente agira, cada um do seu modo.

Assim também Adão agiu sem se aconselhar, naquele momento em que pensou, perdi minha mulher, ela vai morrer, fico sem minha companheira... Tivesse pedido a DEUS, me ajude agora, não sei o que fazer... e teria tido a orientação segura de como agir naqueles momentos cruciais. Mas, não foi assim, DEUS teve que esperar pela viração do dia, momento que era o Seu costume visitar o casal. Foi então, quando já era tarde, que DEUS lhes socorreu do modo como foi possível, ou seja, Ele mesmo viria para morrer em lugar deles. Não ficariam mortos para sempre, se cressem. Ora, se Eva tivesse utilizado de seu livre arbítrio, e tivesse se socorrido em Adão a tempo, ou mesmo diretamente a DEUS, nada disso teria acontecido. Se, por sua vez, Adão tivesse pedido auxílio a DEUS no momento da decisão crucial, a história seria bem diferente, e por certo, isso me parece lógico, o pecado já se teria erradicado, satanás já teria sido eliminado, Eva já estaria de volta ao jardim com seu esposo, a história do pecado teria sido bem mais curta. No entanto, pelos erros, por causa da rejeição a DEUS e da permissão da participação de um inimigo, a história do mal já dura sei mil anos. Por certo, essa guerra será do modo mais longo possível, para completar o sétimo milênio de existência em processo de julgamento. Foram muitos erros bobos, sem necessidade nenhuma de terem acontecido, por parte de nossos primeiros pais, que tudo isso foi da pior maneira imaginável.

Mais um pouco de aplicação. Hoje, só caímos se no momento crucial permitirmos apenas a presença do inimigo. Esse se intromete, mesmo sem ser convidado. Mas se na hora da decisão, mesmo que só em pensamento lembrarmos de DEUS e desejarmos Sua presença, imediatamente Ele estará lá, e entra em ação. Mas você precisa saber que DEUS só age respeitando a sua liberdade de querer a participação dEle. E você tem o direito de pedir o que quiser dEle, e então Ele se considerará no direito de atende-lo da melhor forma possível, até mesmo mais que você pediu. Ele pode atendê-lo de modo diferente do que solicitou, e se o fizer assim, é porque isso será melhor para você. Isso Ele pode fazer, sem violar os seus direitos à liberdade. Mas você precisa, como ser livre, a cada situação, dar a oportunidade ao seu DEUS de poder agir em seu favor. Por isso a oração é tão importante, e ela tem poder. O poder de uma oração é equivalente ao poder de DEUS e Ele tem poder ilimitado. Cometer pecado é proceder tolamente, é fazer algo bobo, pois não podemos ser tentados acima do que somos capazes de enfrentar ou de nos socorrer. Isso DEUS não permite porque, se permitisse, nosso direito à liberdade teria sido violado pela impossibilidade de decidirmos corretamente. Portanto, mais uma vez, pecar é cometer um ato absolutamente desnecessário, e que vai acarretar conseqüências por vezes desastrosas, como foi a verdadeira bobagem que Adão e Eva fizeram. O sofrimento de bilhões de pessoas, guerras, mortes, pestes, destruição, coisas terríveis, afrontas nojentas contra o próprio DEUS, tudo isso, por , na verdade, um lapso, um pequeno descuido: Eva Adão, nas suas dúvidas, não pediram a participação de DEUS. DEUS lhes havia pedido bem pouco para lhes garantir o livre arbítrio, e eles cometeram uma pecado tolo, que seria fácil de evitar, mas que gerou a maior tragédia da história do Universo.

Eles poderiam ter resolvido isso mesmo sem DEUS, eles sabiam o suficiente para tanto, mas, se ainda assim quisessem, poderiam ter recorrido a DEUS para qualquer orientação a mais que desejassem. Poderiam até mesmo ter pedido a DEUS assim, converse o Senhor com aquela serpente falante... Ela está dizendo coisas estranhas... Não foi assim, Eva resolveu defender DEUS diante da astúcia de um inimigo muito poderoso, e Adão resolveu entregar os pontos antes de consultar a DEUS diante da situação criada por Eva.

Por favor, não façamos nós hoje o mesmo. O diálogo da serpente hoje se repete por milhões de formas astutamente preparadas, e geralmente, mesmo reprovando nossos primeiros pais, cometemos o mesmo erro, permitimo-nos enfrentar a situação sem a presença de DEUS. Como Enoque, hoje devemos andar com DEUS, é muito perigoso nos afastarmos dEle mesmo que apenas por um momento. Já chega a tragédia cometida pelo descuido de Adão e Eva. Enoque, para isso, é a nós um bom exemplo.


Prof. Sikberto R. Marks

Bosquejo de la lección de Escuela Sabatica
por Bruce N. Cameron

Lección 1
"¿Qué sucedió?"
(Génesis 1-3) - Enero 4 del 2003

Introducción: Dios ha entrado en un contrato con los seres humanos. Los seres humanos entran en contratos los unos con los otros todo el tiempo para conseguir las cosas que desean. ¿Usted ha considerado alguna vez, sin embargo, entrar en un contrato con su país? Los ciudadanos de un país tienen ciertas obligaciones. Es una calle de dos vías. El país hace promesas básicas a sus ciudadanos y los ciudadanos hacen promesas al país. Un ejemplo es el pagar impuestos en intercambio por orden, protección y servicios básicos. ¿Y que tal Dios? ¿Qué contratos o promesas hemos intercambiado con él? Entremos a nuestro estudio esta semana para comenzar el estudio sobre el tópico de "la promesa."

I. El Principio

A. Lea Génesis 1:1. El primer verso del primer libro de la Biblia comienza con la declaración de que Dios creó los cielos y la tierra. ¿Por qué usted piensa que Dios eligió comenzar sus instrucciones hacia nosotros así?
B. Lea Génesis 1:2. ¿Es esta una descripción de cómo se vio cuando Dios creó los cielos y la tierra? ¿O, es una descripción de lo qué Dios tuvo que trabajar cuando él comenzó su trabajo de crear el cielo y la tierra? (pienso que esto es una descripción de cómo se veían las cosas después de que Dios comenzara su creación. Génesis 1:1 dice que Dios creó la tierra. Dios no creó enteramente la tierra si ya existía en una forma primitiva.)

1. ¿Cómo es que los evolucionistas explican el asunto de la creación? (No lo hacen. Todos asumen que los bloques básicos de edificar estaban presentes y la evolución comenzó allí. Un amigo mío me animó a que leyera el libro "dragones del Edén" para que fuera mas sofisticado en mis opiniones de cómo las cosas comenzaron. Le dije a mi amigo que los "dragones" comenzaron con la asunción que mucho existía antes que la evolución dijera haber comenzado. La pregunta dura entonces, es, "cómo "llegaron" las cosas aquí en el primer lugar?" Génesis 1:1 dice que Dios creó la "materia" de Génesis 1:2.)
C. Explora Génesis 1:3-10. Estos versos dan una explicación más completa de cómo Dios creó los cielos y la tierra. ¿Si usted tuviera que explicar esto a alguna otra persona, cómo lo haría? (la frase que se repite es "Dios dijo." Dios acaba de hablar nuestro mundo a existencia.)
1. ¿Ha notado alguna vez que cuanto más dinero usted consigue, más su trabajo consiste en apenas hablar para conseguir que se hagan las cosas? ¿Por qué es eso? (los salarios más bajos van generalmente a la gente que está haciendo realmente el trabajo. Cuanto más alto es el nivel de la "gerencia," usted entra mas en hablar en vez de trabajar con las "manos ". La "teoría" detrás de esto es que los transmisores tienen más educación en la gerencia y un asimiento mejor del "imagen general.")
a. ¿Es esta "teoría" absurda? (no hay duda que algunos encargados son incompetentes y algunos de los que trabajan con sus "manos " tienen que entender mejor la operación entera. Sin embargo, en general es verdad que algunos encargados dotados son necesarios para hacer que las cosas funcionen bien. Si cada empleado solo hace lo que él piensa que es mejor, usted tendría probablemente caos.)
b. Vamos a aplicar lo que sabemos sobre la vida real a lo que ha escrito Dios sobre Su creación. ¿Está usted alegre que Dios, como el nivel más alto de la gerencia, solo hablo el mundo a la existencia? ¿Si usted no tuviera la historia bíblica, usted preferiría un mundo que vino, como los evolucionistas discuten, por el fondo y no por la cima? (Este es un concepto muy importante. Dios nos dice que nuestro mundo es el resultado del diseño inteligente. Los evolucionistas nos dicen que nuestro mundo es el resultado de la suerte. Mi experiencia de vida me dice que la inteligencia le gana a la suerte todas las veces. Si usted no esta de acuerdo, salga y compre un coche o una casa que se hicieron por la suerte más bien que el diseño inteligente.)

c. ¿Qué nos enseña el diseño inteligente sobre la opinión de Dios de nosotros y de nuestro mundo?

II. El principio del hombre
A. Lea Génesis 1:27 y Génesis 2:7. Dios ahora está haciendo las cosas totalmente diferente. Él no está hablando, él está creando al hombre a mano. ¿Por qué?
1. ¿Si el presidente de una compañía grande va a una de las plantas y supervisa personalmente un trabajo, qué usted concluye sobre ese trabajo?
a. ¿Qué si el presidente realiza personalmente el trabajo, qué usted concluye sobre ese trabajo?
2. Génesis 1:27 nos dice que somos hechos a "la imagen" de Dios. ¿Qué significa esto para usted?
3. Asuma que usted no sabe nada sobre la Biblia, y alguien viene a usted y le dice "tengo dos historias sobre cómo usted llego aquí. Una historia dice que eres creado a la imagen de Dios. La otra dice que llego por una serie de accidentes y de mutaciones." ¿Qué historia usted desearía demandar como la suya? (Qué gran cosa es estar hechos a la imagen de Dios!)

B. Lea Génesis 2:20-23. Nuestra lección (lunes) enfatiza de sobre manera la igualdad de la creación del hombre y de la mujer. Dice, "no hay señal de inferioridad del uno al otro." ¿mientras que usted considera Génesis 1:27, 2:7, 20-23, usted esta de acuerdo?
1. ¿Y qué sobre el hecho de que el hombre es creado primero?
2. ¿Y qué sobre el hecho de que al hombre le toca nombrar a todos los animales?

3. ¿Y qué el hecho de que todos los animales que son considerados para el papel (Génesis 2:20) de "ayudantes convenientes" fueran antes de que crearan a la mujer para ese papel?

4. ¿Y qué sobre el hecho de que el hombre fue hecho de la tierra y la mujer fue hecha de la costilla de un ser vivo?

5. ¿Qué usted concluye de que Dios elige una costilla, en comparación con el dedo del pie de Adán o un cerebro, para hacer a Eva?

6. ¿La manera en la cual la mujer fue hecha tiene algún significado del todo? (Lea Génesis 2:24. Dios atribuye absolutamente un significado a la manera en la cual creó a la mujer, porque El dice que en el arreglo apropiado del matrimonio, el hombre y la mujer se hacen "una sola carne." Dios propuso enseñar por lo menos esta lección.)

III. El papel del hombre al Comienzo
A. Lea Génesis 1:28. ¿Qué papel Dios asigna a Adán y a Eva?
1. ¿Por qué Dios dijo, en un mundo perfecto, "someter" la tierra? ¿Había alguna una pregunta o duda de que si el hombre tenía control sobre los animales y la tierra?
2. Hay un término popular hoy, la "discriminación de la especie" que es una taquigrafía para la idea de que el hombre no tiene ningún derecho a ser preferido sobre los animales. La "discriminación de la especie" condena la prueba de drogas en los animales, usar los animales para las capas (piel y cuero), y usar los animales para el alimento. Qué dice la Biblia sobre la idea de la discriminación subyacente de la especie ?" (Esto es un concepto en desacuerdo con la Biblia. Asignan al hombre un papel más
alto que los animales. La vida animal es inferior a la vida humana. Si el hombre, como regla benévola, desea decir "seré bueno con los animales no comiendo, no usando o no experimentando con ellos," muy bien. Pero los abogados de los animales no tienen ningún derecho de la moraleja de demandar la igualdad de la vida animal a la vida humana.)

3. ¿Si usted "rige" sobre la creación, usted tiene cierta responsabilidad moral a la creación?

IV. La Caída
A. Lea Génesis 2:16-17. ¿Usted notó alguna vez que esta advertencia fue hecha a Adán - antes de que Eva fuera creada? ¿Señoras, ustedes piensan que Adán no explicó las cosas muy bien a Eva? (Estoy bromeando. En hecho, Génesis 3:2 demuestra que Eva entendía la advertencia.)
1. Póngase en el lugar de Adán. ¿Usted piensa que podría evitar comer de este 1 árbol?
2. ¿Qué dice sobre nuestro Dios el hecho de que El permitió que Adán y Eva comieran de cualquier árbol con excepción a éste?

3. Compare la complejidad de la vida de Adán con la tuya. ¿Desea vivir una vida larga? Usted tiene que comer bien, hacer ejercicio, tener los padres correctos, etc. ¡Todo lo que este individuo tuvo que hacer era evitar comer de este 1 árbol!

a. Sería un problema para usted que Dios llamara el árbol "el árbol del conocimiento del bien y el mal?"
b. Sería un problema que el árbol (Génesis 3:2) estaba en el "centro del jardín?" (sí, pienso que ambas cosas serían problemas. Estando en el centro, usted lo notaría todo el tiempo. El tener el nombre "conocimiento del bien y del mal" me cautivaría.)

4. ¿Es injusto que Adán y Eva tenían solamente esta limitación, esta prueba, y nosotros tenemos toda clase de pruebas y de limitaciones? (¿su prueba es esencialmente igual que nuestra prueba, "usted confía en Dios? Esta dispuesto a actuar en esa confianza?")
B. Lea Génesis 3:1-5. ¿Puede usted resumir en una oración, lo qué Satanás decía a Eva? (Dios no le dijo la verdad.)
C. Lea Génesis 3:6. ¿Qué dijeron las acciones de Eva a Dios? (Yo le creo a esta serpiente y no le creo a usted.)

D. Lea 1 Timoteo 2:14. ¿Sabiendo que no engañaron a Adán, qué usted concluye sobre el hecho de que comió la fruta? (él lo hizo deliberadamente.)

1. ¿Si usted fuera Dios, qué te dirían las acciones de Adán? (él eligió a Eva sobre Dios. Los dos mensajes a Dios son perturbantes. Eva esencialmente dijo que Dios era un mentiroso. Adán esencialmente dijo a Dios que prefería a algún otro sobre El. Si yo fuera Dios, no estaría contento con mi creación.)
E. Lea Génesis 3:9. ¿Si usted fuera Dios, usted hubiera dicho esto?
V. La Promesa
A. Lea Génesis 3:14-15. ¿Es esta una promesa para nosotros? ¿Hay esperanza en esto? (si usted mira esto en términos de serpientes y seres humanos, entonces esto no es una gran promesa. Por otra parte, si usted mira esto simbólicamente en términos de Jesús y de Satanás: Jesús que viene a la tierra como el "descendiente" de Maria, y se encuentra con Satanás en una batalla por nosotros, entonces ésta es una promesa maravillosa.)
B. Amigo, Adán y Eva no se cubrieron con gloria en sus manejos Dios. Él les dio una prueba simple y la fallaron. No sólo la fallaron, sino que llegaron realmente a insultar a Dios en el proceso. A pesar de esto, Dios comenzó a revelarle a ellos Su promesa de darles una salida de la muerte. Él es un Dios grande y generoso.

VI. La Próxima Semana: Iniciación al pacto
Traducido por Estrella González

Bruce N. Cameron, J.D. es el autor de estos bosquejos o resumenes de Escuela Sabatica. El ha dedicado su vida a promover el Evangelio y en defender a los creyentes. El es un abogado cuya practica de 25 años esta limitada a la litigacion de casos sobre la ley constitucional y libertad religiosa. El es el pastor laico de su Iglesia local. Tiene un grado de la Universidad de Andrews y un Doctorado en Leyes de la Universidad de Emory de Leyes.

Auxiliar do Professor: UCB

clique aqui para pegar o arquivo

INFORMATIVO DAS MISSÕES:

Sábado, 4 de janeiro de 2003

O motorista de táxi missionário


Sérgio Barrientos - Motorista de táxi em Osorno, Chile

Sérgio Barrientos estava a caminho de casa, depois de um longo dia de trabalho na sua cidade, no sul do Chile. Pensava na sua casa, na mulher e nos filhos quando viu uma mulher de preto numa esquina. Tinha visto aquela mulher bem cedo naquele dia. Sérgio reduziu a velocidade e parou ao lado dela. Abaixando o vidro, perguntou se precisava de uma carona. Ela disse que não.

Para onde você vai? ele perguntou.

Ela disse o nome de uma cidade perto. E apesar de não ser caminho, Sérgio concordou em levá-la para lá.

Estou tão feliz por você me ajudar disse ela, enquanto sorria e sentava no banco de trás do carro. Estou esperando o ônibus há quase uma hora.

Sérgio olhou rapidamente pelo espelho retrovisor e reconheceu um olhar de alguém que estava levando uma carga tão pesada que parecia impossível resistir.

Você parece preocupada ele disse. Eu não quero ser intrometido, mas deixe-me lhe contar algo.

Então contou como sua vida tinha estado em ruínas antes de encontrar Jesus.

Rua sem saída

Sérgio fora um alcoólatra incontrolável. Tinha vendido tudo que podia para comprar mais álcool, para desespero de sua mulher e seus filhos. Então, sem ter mais a quem recorrer, um dia suplicou a Deus que o ajudasse, e Deus respondeu, ajudando-o a vencer o vício. Agora Sérgio quer que todos encontrem a paz que ele encontrou.

Livre da escravidão do álcool, Sérgio pediu que Deus lhe mostrasse uma maneira de servi-Lo. E Deus o inspirou a usar seu táxi como instrumento para testemunhar, contando aos passageiros o que Deus fizera em sua vida. Então, sempre que recebe um passageiro em seu carro, Sérgio tenta falar um pouco do amor de Deus. Todos os dias ora para que Deus o guie para as pessoas que precisam ouvir de Jesus, portanto tinha certeza de que essa mulher era uma resposta às suas orações.

Enquanto contava à mulher como Deus tinha lhe dado uma nova vida, Sérgio olhou pelo retrovisor e percebeu que lágrimas corriam pelo seu rosto.

Não chore disse. Não importa quais sejam os seus problemas, Jesus pode cuidar de todos eles. Ele disse na Bíblia: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em Mim" [João 14:1]. Jesus quer consertar tudo na sua vida.

Ela continuava chorando, mas finalmente falou:

Nunca pensei que encontraria alguém como você.

Jesus a ama Sérgio disse. Foi Ele que a trouxe para o meu táxi hoje. Ele queria que eu lhe contasse quanto Ele a ama.

Você acha realmente que Deus me ama? perguntou, enxugando os olhos.

Claro que sim! E quer que você entregue todos os seus problemas a Ele.

A mulher disse que seu nome era Gladys, que era viúva e tinha dois filhos.

Desde o dia em que meu marido morreu, perdi o gosto de viver. Nesta manhã, eu me levantei pensando em me suicidar. Ela parou por um momento, então continuou: Estava indo dizer adeus para os meus filhos. Então iria acabar com a vida.

Sérgio diminuiu a velocidade do carro e parou junto ao meio-fio. Então orou por ela.

Obrigada disse ela. Você salvou a minha vida hoje. Enquanto ele dava partida, ela perguntou:

Você poderia me ensinar mais sobre Deus?

Sérgio alegremente concordou em fazer estudos bíblicos com ela. Então a levou para casa para ver os filhos. Gladys começou a ler a Bíblia e a freqüentar a igreja aos sábados. Seis meses depois ela selou seu compromisso com Cristo através do batismo.

Uma Mulher Muito Doente

Uma tarde, Sérgio parou seu táxi para um casal que estava em uma esquina. Enquanto os levava para o lugar pedido, começou uma conversa com os dois. Descobriu que a mulher estava com um câncer terminal.

O médico me disse que não há cura. Quando ele me disse que eu tinha somente alguns meses de vida, meu marido e eu vendemos tudo o que tínhamos para pagar os melhores médicos do país. Mas mesmo assim não conseguimos a cura.

Eu posso apresentar a vocês o médico que me curou Sérgio ofereceu.

Pode? Por favor, queremos conhecê-lo! a mulher disse, com a esperança brilhando em seu rosto.

Seu nome é Jesus. Ele pode tudo e não cobra pelos serviços.

A mulher queria aprender mais, então Sérgio prometeu lhes dar estudos bíblicos.

Quando chegou ao destino do casal, Sérgio perguntou se poderia orar por eles. Os três inclinaram a fronte enquanto Sérgio orava no táxi.

Na semana seguinte, Sérgio, juntamente com outro membro da igreja, começou os estudos bíblicos com o casal. Uma tarde, a mulher os recebeu com um grande sorriso.

Eu fui ao médico esta semana ela disse. Ele fez alguns exames e ficou intrigado. Disse que o câncer parece estar encolhendo, mas não sabe como isso é possível. Eu disse que isso é obra de Deus.

Hoje, aquela mulher está totalmente curada do câncer e, juntamente com o seu marido, alegram-se em ter encontrado a saúde física e espiritual em sua nova fé em Deus.


jpeg96.jpg

Manaus Belém Porto Velho Fortaleza Recife Salvador Rio de Janeiro
18h10 18h21 18h35 17h45 17h38 18h01 18h35
Cuiabá Campo Grande São Paulo Belo Horizonte Curitiba Brasília Porto Alegre
18h16 18h19 18h53 18h35 19h08 18h43 19h26

Adapte ao Horário de Verão!

Conheça: DestaKs!